‘A cidade parou’: moradores de Jacobina prestam homenagens aos mortos em acidente na BR-324

 ‘A cidade parou’: moradores de Jacobina prestam homenagens aos mortos em acidente na BR-324

A comoção já tomava conta da cidade de Jacobina, no centro-norte baiano, quando os primeiros corpos da tragédia envolvendo um micro-ônibus e um caminhão, chegaram ao Ginásio Municipal de Esportes Paulo Santos Gomes, na noite de ontem (8). Quatro pessoas de uma mesma família, incluindo uma criança, foram os primeiros a serem velados. O velório coletivo, que continua nesta terça-feira (9) vai reunir 11 dos 24 mortos no acidente na BR-324, que aconteceu na noite de domingo (7).

A Avenida Centenário, onde o ginásio é localizado, é apenas um dos pontos da cidade que recebe homenagens da população de Jacobina. O clima de tristeza e desamparo faz com que centenas de pessoas tracem uma peregrinação nos velórios das vítimas da tragédia. Lojas do comércio amanheceram fechadas depois que a prefeitura decretou luto oficial de três dias.

O micro-ônibus transportava ao menos cinco famílias que voltavam para a cidade depois de um passeio em Guarajuba, no Litoral Norte, e colidiu com um caminhão truck. Os três passageiros do caminhão, inclusive o motorista, morreram. Os velórios que acontecem em Jacobina são realizados em pelo menos dois templos religiosos, um bar e um clube, além do ginásio municipal.

Outras famílias preferiram fazer a cerimônia em casa. É o caso do velório de Michele da Silva, 32, que é filha do dono da empresa Naldo Transportes, responsável pelo micro-ônibus. A assistente social Marta Silva, 38, não tem parentes envolvidos no acidente, mas participou de três velórios entre segunda (8) e terça-feira (9). Ela chegou ao ginásio às 20 horas e só deixou o local por volta das 4 horas da manhã.

“A cidade parou, todos os moradores estão enlutados. É um momento de muita dor, famílias foram destruídas”, diz. Marta participou do velório com duas amigas. “Precisamos demonstrar nossa empatia e solidariedade. Todo mundo conhece, ao menos de vista, alguma das vítimas”, completa. Moradores relatam que muitos parentes e amigos das vítimas passam mal ao se deparar com os caixões.

O prefeito de Jacobina Tiago Dias (PCdoB) também percorre os velórios que ocorreram na cidade. Segundo ele, pelo menos 14 vítimas serão enterradas no município. “Nós disponibilizamos ambulâncias e médicos nos pontos dos velórios. A todo momento alguém precisa de atendimento. É um momento de muita dor”, afirma.

Tiago Dias não tem parentes envolvidos na tragédia, mas conta que um amigo da época de colégio e pessoas conhecidas estão entre as vítimas. “O momento mostrou a solidariedade e irmandade do povo de Jacobina e de outras partes do Brasil. Recebemos mensagens de solidariedade de diversos lugares”, diz.

Deixe uma resposta

Descubra mais sobre LF News -

Assine agora mesmo para continuar lendo e ter acesso ao arquivo completo.

Continue reading