outubro 27, 2021

970×90

Conheça os 14 atletas da Bahia que disputam a Olimpíada Rio/2016

Conheça os 14 atletas da Bahia que disputam a Olimpíada Rio/2016

Coube ao maratonista Vanderlei Cordeiro de Lima, 47 anos, acender a pira que marcou o início da Olimpíada Rio/2016, na noite de sexta-feira (5) durante cerimônia no estádio Maracanã. A primeira edição dos jogos olímpicos na América do Sul desde o início do evento na Era Moderna, em 6 de abril de 1896, na Grécia. Mais de 11 mil atletas estão distribuídos nas 42 modalidades. Todos em busca da maior honraria do esporte: o outro olímpico. Somente no próximo dia 21, encerramento dos jogos, é que serão conhecidos todos os vencedores desta edição.

Como país-sede, a delegação brasileira conta com 465 atletas de ponta, entre eles, os 14 representantes da Bahia. Poucos é verdade, porém dominantes em suas especialidades. Do braço forte e brado retumbante de boa parte dos nascidos na Boa Terra está a esperança de triunfo do Brasil. Alguns deles já estiveram em ação, já que as competições de futebol e tiro com arco têm início antecipado. O Varela Notícias reuniu o perfil desses atletas para que você, leitor, possa conhecer um pouco da trajetória dos heróis baianos. Confira.

Atletismo

Graciete Moreira é uma das inúmeras atletas a deixar o estado para conseguir um lugar ao Sol. Deu certo. Nascida em Serra Preta, Região Metropolitana de Feira de Santana, Graciete Moreira Carneiro Santana, 35 anos, seguiu para Minas Gerais e se tornou atleta do Cruzeiro. Alcançou índice olímpico e acabou convocada com o tempo de 2 horas, 38 minutos e 23 segundos, conquistado na Maratona de Sevilha, na Espanha. Sua prova será realizada às 9h30 do dia 14.

(Foto: Divulgação/ Cruzeiro)

Basquete

Isabela Ramona é considerada uma das revelações do país. Nascida em Salvador, Isabela Ramona Lyra Macedo, 22 anos, também deixou o estado para dar início à carreira. Foi no Rio de Janeiro, como atleta do Fluminense, que se tornou uma ala de 1,88m, com velocidade e recuperações de rebotes notáveis. Passou por Mangueira-RJ, Jundiaí-SP, São José Desportivo-SP e Sampaio Basquete-MA, último clube no Brasil antes de assinar contrato com o time espanhol Zamarat Basketball. Parte para a cidade de Zamora assim que os jogos forem encerrados. Estreia na Olímpiada neste sábado (6), às 17h30 contra a Austrália.

(Foto: Divulgação)

Canoagem

Entre os 16 representantes do Brasil na canoagem dois baianos estão em destaque.Isaquias Queiroz é considerado favorito, enquanto Erlon de Souza é uma das referências na equipe. A dupla do sul da Bahia é uma verdadeira “papa medalhas” e deve fazer diferente disputando em casa.

Nascido em Ubaitaba, Isaquias Queiroz, é considerado atualmente como o principal atleta brasileiro da modalidade. E com somente 22 anos. Fruto das inúmeras conquistas individuais e em grupo. São 11 medalhas no total. Seis de ouro, duas de prata e três de bronze conquistadas Mundiais de Duisburg/2013, Moscou/2014 e Milão/2015, no Pan-Americano de Toronto/2015 e no Mundial Júnior em Brandenburg/2011.

(Foto: Reprodução/ Facebook)

Erlon de Souza Silva, 25 anos, nasceu em Ubatã e começou a faturar medalhas um ano antes que o amigo e velocista Isaquias, no entanto sua especialidade são provas de grandes percursos. Iniciou a trajetória em 2010, quando venceu tudo que disputou em no Sul-Americano de Medellín. Foram três medalhas de ouro. No Pan de Guadalajara/2011 conquistou a prata e repetiu o feito em Toronto 2015.

Boxe

Modalidade que mais possui representantes da Bahia. São eles os soteropolitanos:Adriana Araújo e Robson Conceição na categoria Leve (60kg); Robenílson de Jesus, categoria Galo (56kg); e Joedison Teixeira, categoria Meio Médio Ligeiro (64kg).

Adriana dos Santos Araújo, 34 anos, é única mulher a ter conquista uma medalha olímpica no boxe. A segunda do Brasil na modalidade. Feito alcançado com o bronze em Londres/2012. Desta vez quer o ouro em casa. Superação é os segundo nome da pugilista que chegou a ficar na geladeira da Confederação Brasileira de Boxe. Luta na sexta-feira, dia 12.

(Foto: Divulgação)

Robson Donato Conceição, 27 anos, volta a disputar os jogos olímpicos após a participação em Pequim/2008, quando foi derrotado na estreia. Mas não permanecerá como atleta olímpico. Embora de forma tardia, migra em setembro para o boxe profissional. Antes de ficar com o título de Melhor das Américas por bater o bi-campeão mundial, ganhou a prata no Pan-Americano de Guadalajara, no México, em 2011. Entra no ringue na terça-feira (9).

(Foto: Divulgação AIBA)

Robenilson Vieira de Jesus, 28 anos, tem trajetória semelhante à de Robson Conceição. Também disputou os jogos de Pequim/2008, mas na época pela categoria Mosca (51kg). Perdeu na segunda luta. Subiu de categoria e se deu bem. Medalha de bronze no Pan de Guadalajara em 2011. Em Londres/2012 também teve boa atuação, mas se despediu nas quartas de final, a uma luta de garantir a medalha. Para sua infelicidade, não há disputa de terceiro lugar no boxe olímpico. Estreia no dia 10.

(Foto: Murad Sezer/ Reuters)

Joedison Teixeira de Jesus, 22 anos, é considerado uma joia do pugilismo baiano. Apesar da pouca idade, o “Chocolate” já entrou para história como único brasileiro a conquistar a medalha de ouro do World Combat Games, disputado em 2013 em São Petersburgo. Não parou por aí. No Festival Olímpico Pan-Americano, em Cidade do México, faturou o ouro em 2014. No ano seguinte, no Pan-Americano de Toronto, voltou para casa com a medalha de bronze. Luta no dia 11.

(Foto: Divulgação)

Futebol Masculino

Apesar do técnico Rogério Micale ser baiano, o único conterrâneo que conseguiu ser convocado foi o volante Walace, Grêmio. O soteropolitano de 1,88m tem 21 anos e deu início a sua carreira no Simões Filho Futebol Clube. Foi vendido para o Avaí. Retornou, por empréstimo, para atuar em curto período nas categorias de base do Bahia. De volta a Santa Catarina, atuou por mais uma temporada pelo Leão da Ressacada e acabou negociado, em definitivo com o Grêmio. No tricolor gaúcho foi promovido ao profissional em 2014. Já soma 95 jogos e marcou 5 gols. A expectativa em torno do seu futuro é grande. Não atuou no empate sem gols com a África do Sul, mas pode pintar contra o Iraque, às 22h de domingo (7).

(Foto: Divulgação/CBF)

Futebol Feminino

Entre as convocadas do técnico Oswaldo Alvarez, o Vadão, para buscar o ainda inédito outro olímpico na modalidade estão a experiente meio-campista Formiga e as defensorasFabiana e Rafaelle Souza, a Fafá. Na estreia, bateram a China sem grandes dificuldades com 3 a 0 no placar. Voltam a campo neste às 22h de sábado (6) contra a Suécia.

Com seis participações na Olimpíada, Miraildes Maciel Mota, a Formiga, é recordista de participações pelo Brasil. Conquistou a prata em Atenas/2004 e Pequim/2008. Nascida em Salvador e atualmente com 38 anos, é possível que em caso de conquista do ouro Formiga dê por encerrada uma carreira exemplar. Sem lesões graves que a tivessem afastado dos campos, a craque tem uma regularidade pela Canarinho superior a do eterno capitão Cafú. Tem passagens por São Paulo, Portuguesa, Santos, Malmö FF Dam, da Suécia, New Jersey Wildcats, Quickstrike Lady Blues, FC Gold Pride e Chicago Red Stars, dos Estados Unidos.

(Foto: Divulgação/CBF)

Fabiana da Silva Simões é nascida e criada no bairro de Mirantes de Periperi. No Subúrbio de Salvador deu seus primeiros chutes na pelota e integrou a escolinha de futebol do bairro. Hoje, aos 26 anos, é titular na lateral-direita da seleção principalmente por sempre vencer as adversárias nas disputas com corpo ou na velocidade, sua principal característica. Vai para sua terceira disputa olímpica. Atualmente defende a equipe do Centro Olímpico, após passagens por Corinthians, Santos e São José, além de Tyresö FF, da Suécia, Rossiyanka, da Rússia, Boston Breakers e Boston Aztec, dos Estados Unidos.

(Foto: Divulgação/CBF)

Rafaelle Leone Carvalho Souza, pode ser considerada, aos 25 anos um exemplo de atleta. Dividiu-se entre a paixão pela bola e os estudos. Tanto que deixou sua cidade natal, Cipó, nordeste da Bahia, para correr atrás de uma bolsa de estudos nos Estados Unidos. Dificuldades financeiras não a impediram e acabou formada em Engenharia pela Universidade do Mississipi, faculdade pela qual atuou na liga universitária como meia-atacante. Chegou a ser artilheiro da Conferência Sudeste em 2013, com 22 gols. A partir daí entrou de vez para o futebol profissional. Iniciou pelo Houston Dash e passou por Ole Miss. Agora atua no futebol chinês.

(Foto: Divulgação/CBF)

Maratonas Aquáticas

A dupla Allan do Carmo e Ana Marcela Cunha celebra 10 anos da primeira participação nos jogos olímpicos. Juntos irão para a terceira disputa e, apesar de rechaçaram a alcunha, são os favoritos ao ouro. Allan Lopes Mamédio do Carmo, 27 anos, e Ana Marcelo Jesus Soares da Cunha, 24 anos, deram suas primeiras braçadas na Vila Olímpica do Estádio Octávio Mangabeira, antiga Fonte Nova. Desde então acumulam prêmios e chegaram ao topo da natação do mundial.

Allan conquistou o ouro no Sul-Americano de Buenos Aires [2006, prova de 5km], e Santiago [2014, prova de 10km e time 3km]. Ficou com a prata em Medellín [2010, prova de 5km]. Nos Mundiais de Kazan [2015] e Barcelona [2013], levou prata e bronze, respectivamente. Também foi bronze no Pan-Americano do Rio de Janeiro [2007]. Em 2014 foi campeão da Copa do Mundo de Maratonas Aquáticas. Sua prova será às 9h do dia 16.

(Foto: Divulgação/ FINA)

Apelidada de “Fominha”, Ana Marcela é presença constante nos pódios. Soma seis medalhas de ouro, três de prata e três de bronze, distribuídas entre Campeonatos Mundiais e Sul-Americanos. Em 2015, pela terceira vez em sua carreira, foi eleita melhor nadadora do mundo. Também foi escolhida como melhor atleta feminina do Brasil no mesmo ano. Sua prova será no dia 15.

Compartilhe
abaixo de Saúde

Sobre o autor

posts relacionados

abaixo de Saúde