maio 30, 2020

970×90
970×90

CPI das Fake News identifica bolsonarista em rede de ataque a políticos

CPI das Fake News identifica bolsonarista em rede de ataque a políticos

Estudante de Medicina controla perfil nas redes que critica adversários do presidente e incentiva atos pró-governo

As quebras de sigilos aprovadas pela Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) das Fake News permitiram identificar quem são os responsáveis por operar dois dos perfis suspeitos de integrar uma rede de ataques virtuais a políticos. Com base em dados enviados ao Congresso pelo Facebook, o Estado localizou duas pessoas, em São Paulo e em Minas Gerais, que entraram na mira do colegiado. Elas alimentam perfis com os codinomes “PresidenteBolsonaroBR – Mito do Brasil” e “Conservador Liberal”, ambos com mais de 100 mil seguidores.

O “Conservador Liberal” pertence a Webert Florêncio, de 25 anos, morador de Ipatinga (MG), um militante de direita. Evangélico e estudante de Medicina, Florêncio passou a apoiar Bolsonaro em 2016 e fez parte de grupos como o “Direita Minas”. Hoje é entusiasta do partido bolsonarista em gestação, o Aliança pelo Brasil. Na eleição de 2014, fez campanha para Aécio Neves (PSDB). A Justiça Eleitoral não registra filiação partidária dele. 

À reportagem, Florêncio disse que jamais ocupou cargos comissionados ou recebeu dinheiro para manter as páginas.

Além do Instagram, onde possui 120 mil seguidores, o estudante administra mais três páginas no Facebook, todas com uma fotografia de Margaret Tatcher, a ex-premiê britânica conhecida como “Dama de Ferro”. Uma delas é uma página oficial do Conservador Liberal, além de um grupo público e as páginas de notícias “Conservador Liberal News” e de sátiras “Conservador Liberal em Memes”. São mais de 208 mil pessoas atingidas. 

As páginas dele reproduzem ofensas a adversários políticos de Bolsonaro, como deputados do PSOL, e incentivos a manifestações pró-governo e contrárias ao Congresso e ao STF. Ele escreveu “chega de chantagem” e reproduziu o palavrão dito pelo ministro Augusto Heleno (Gabinete de Segurança Institucional) contra os demais poderes: “Foda-se”. Nos últimos dias, fez coro às críticas ao ex-ministro da Saúde Luiz Henrique Mandetta a forma de reação à pandemia do novo coronavírus. Apesar disso, Florêncio diz que apenas compartilha notícias e opiniões, sem difamar nas redes.

“A CPI é uma maneira de tentar calar, mas não adianta porque se eu parar outros vão falar. A rede social levou o povo para perto dos políticos, e a cobrança incomoda. Político tem que saber ouvir crítica em vez de processar”, disse o estudante.

A conta “Mito do Brasil” no Instagram é vinculada a um telefone e e-mail de Mariana Aparecida Rosa de Campos, de 39 anos, moradora de Osasco (SP). Ela é responsável por abastecer de conteúdo o perfil, que retrata o dia a dia do presidente e família. O alcance é de 168 mil pessoas. O Estado telefonou para Mariana, mas ela não atendeu as chamadas. Segundo dados do TSE, ela não possui filiação partidária.

Filho do presidente. Os dados que levaram à identificação de Florêncio e Mariana chegaram à CPI em março, numa leva que também possibilitou aos investigadores estabelecer elo direto com o clã presidencial. A conta “Bolso_Feios” foi criada em Brasília por Eduardo Guimarães, assessor parlamentar do deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), filho do presidente. Ele alega que o perfil era apenas uma sátira à família, sem divulgar ataques a adversários políticos, o que contraria registros de publicações ofensivas da página.

Estadão

Compartilhe
abaixo de Saúde

Sobre o autor

posts relacionados

deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

abaixo de Saúde