novembro 24, 2020

970×90

Estudantes baianos orientam sobre descarte do Lixo Eletrônico

Estudantes baianos orientam sobre descarte do Lixo Eletrônico

O lixo eletrônico (e-lixo) tornou-se uma preocupação dos estudantes do Colégio Estadual Orlando Leite, no município baiano de Vitória da Conquista. Os materiais que apresentam substâncias tóxicas na sua composição, a exemplo das pilhas e das baterias de celular, podem contaminar o solo, o ar e a água, se não tiverem um descarte adequado. É com esta consciência que os alunos protagonizam um projeto sobre o descarte do lixo eletrônico, que engloba pesquisas científicas, visitas às comunidades do entorno e montagem de um ponto de coleta na unidade escolar, batizado de Ecoponto.

A ação é parte do projeto estruturante Juventude em Ação, da Secretaria da Educação do Estado da Bahia, que visa incentivar e fortalecer o desenvolvimento de atividades de Educação Ambiental e qualidade de vida nas escolas da rede estadual. O projeto dos alunos, explica a professora de Biologia, Ciência e Meio Ambiente, Alaíde de Souza, tem como objetivos “estimular a iniciação cientifica no ambiente escolar; conhecer como é realizado o descarte do lixo eletrônico em Vitória da Conquista e promover uma alternativa para reduzir o impacto ambiental a partir do descarte adequado do lixo eletrônico”.

A estudante Rebeca Teles, 16, 2º ano, que está à frente do projeto, conta que o trabalho foi iniciado quando ainda cursava a 8º série. “Tudo começou pela curiosidade sobre o assunto, porque, na verdade, não temos muita noção do quanto o lixo eletrônico é prejudicial à nossa saúde, como problemas respiratórios e cardíacos, e ao Meio Ambiente. Mas não tinha ideia da proporção que o trabalho tomaria”, conta.

A principal motivação para a realização do projeto, revela a aluna, foi viabilizar o destino adequado do lixo eletrônico, de acordo com a responsabilidade compartilhada pelo ciclo de vida dos produtos, conforme a Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS), Lei nº 12.305/2010. “Nosso primeiro passo foi conscientizar toda a comunidade escolar e a população em geral, através de atividades educativas, em relação ao destino apropriado de pilhas e baterias. Depois, criamos o Ecoponto, na escola, e conseguimos uma parceria com uma operadora telefônica para o recolhimento dos resíduos e enviá-los aos fabricantes, que se responsabilizam pelo descarte ambientalmente adequado”.

A professora Alaíde ressalta que, além dos estudos bibliográficos, os estudantes realizaram visitas ao aterro sanitário da cidade e fizeram entrevistas com técnicos da Secretária Municipal de Meio Ambiente e com donos de estabelecimentos que comercializam produtos eletrônicos. “Para alcançar a mudança de comportamento em relação ao consumo é necessário aumentar a conscientização, por meio de atividades educativas no ambiente escolar. Com isto, contribuímos parar gerar conhecimento e esclarecer dúvidas, além de promover valores ambientais importantes em prol de um mundo mais sustentável”, pontua a educadora.

Compartilhe
abaixo de Saúde

Sobre o autor

posts relacionados

deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

abaixo de Saúde