Fiocruz Bahia instala novo Centro em Parque Tecnológico

 Fiocruz Bahia instala novo Centro em Parque Tecnológico

O diretor da Fiocruz Bahia, Manoel Barral Netto, e o secretário de Ciência, Tecnologia e Inovação do Estado (SECTI), Manoel Mendonça, assinaram  um termo de cessão oficializando a entrega do espaço que abrigará uma nova estrutura da Fiocruz Bahia no Parque Tecnológico da Bahia: o Centro de Integração de Dados e Conhecimento para Saúde (Cidacs). Fruto de fortes parcerias científicas entre Fiocruz Bahia, Fiocruz Brasília, Universidade Federal da Bahia (UFBA), Cimatec e a Escola de Higiene e Medicina Tropical de Londres (Reino Unido), o Centro vai congregar pesquisa, capacitação e processos de democratização do acesso a dados e conhecimento.

Dentre os objetivos do Cidacs, destaca-se o estudo dos efeitos de políticas sociais na saúde, através da realização de pesquisas e avaliações de programas governamentais. Com a inauguração prevista para início dezembro deste ano, a implantação da nova estrutura, por meio de avançados recursos computacionais e perspectiva multidisciplinar e integrativa, permitirá que grupos de pesquisa que já atuam em epidemiologia, bioinformática, estatística e computação, trabalhem em interação e de forma complementar.

De acordo com Manoel Barral Netto, a Fiocruz Bahia está ampliando a sua área de atuação. “A construção de um espaço geográfico de tratamento de grandes dados no Parque Tecnológico da Bahia aproxima a Fundação de outros parceiros que também trabalham com tratamento de dados para a saúde de uma forma abrangente”, avaliou o diretor.

Manoel Mendonça ressaltou que a Bahia é um estado que já tem tradição de pesquisa, principalmente na área de saúde coletiva. “Nós temos interesse de criar no Parque o que chamamos de área de atrito, que é trazer pesquisadores de várias origens e formações para trabalhar e criar coisas novas para sociedade baiana e brasileira”, frisou.

Na ocasião da inauguração, será realizado um seminário comemorativo, envolvendo os pesquisadores do Centro, parceiros e especialistas nacionais e internacionais. A programação será definida em breve.

Produção de dados em saúde

O Centro abrigará projetos como da Coorte de 100 milhões de brasileiros e a Plataforma de Vigilância de Longo Prazo para a Zika e Microcefalia no âmbito do SUS. Outros projetos incluem o desenvolvimento de ferramentas de apoio e análise para atenção básica à saúde, e projetos diversos no campo da biologia computacional e da bio-informática. Os pesquisadores irão dispor de infraestrutura inédita em termos de capacidade de armazenamento, segurança e análise de dados e será permitido que se utilize grandes bases de dados identificados, através de rigoroso sistema de proteção das informações pessoais.

Segundo Maurício Barreto, pesquisador da Fiocruz Bahia, com a produção massiva de dados de pesquisa em saúde, os recursos necessários para produção de conhecimento se ampliaram muito com a utilização de computação de alta velocidade. “A ideia é envolver pesquisadores de diferentes campos em saúde, mas que utilizem grandes bases de dados e que precisem de métodos para integrar e resolver problemas a partir desses dados”, explicou.

Outro importante papel do Centro ocorrerá no campo científico por meio da introdução e operacionalização do conceito de ciência aberta, que busca tornar a pesquisa científica e a divulgação de dados abertos a todos os setores da sociedade, com a lógica de permitir que o conhecimento gerado seja acessível a instituições de ensino e de pesquisa, gestores públicos, profissionais de saúde e a sociedade, em geral.

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Todo o conteúdo deste portal é protegido por leis de direitos autorais. Para republicação ou uso, entre em contato com nossa equipe de suporte.