Guerra entre Israel e Hamas completa 6 meses neste domingo

 Guerra entre Israel e Hamas completa 6 meses neste domingo

A guerra entre Israel e o Hamas completa seis meses neste domingo, 7, após a pista de dança do Festival Nova, ser palco de uma das chacinas executadas pelo grupo extremista no dia 7 de outubro de 2023. O conflito já soma milhares de mortos e feridos, entre palestinos e israelenses, sem prazo para chegar ao fim.

Embora o conflito se desenrole há décadas, houve uma escalada histórica nas tensões que atingem o Oriente Médio desde uma invasão do Hamas a áreas israelenses próximas à Faixa de Gaza. 

No dia 7 de outubro, 7 de outubro de 2023, Israel declarou guerra contra o Hamas após a invasão no Festival, passando a bombardear a Faixa de Gaza. A Organização das Nações Unidas (ONU), com base em informações do Ministério da Saúde local, divulgou que mais de 33 mil palestinos morreram, sendo que pouco mais de um terço do montante seria formado por crianças.

Além dos bombardeios, as Forças de Defesa de Israel passaram a realizar incursões terrestres na região, começando pelo norte da Faiza de Gaza. De acordo com a Agência das Nações Unidas de Assistência aos Refugiados da Palestina no Próximo Oriente, cerca de 1,7 milhão de pessoas se deslocaram internamente.

A ação foi aliada a um cerco à região, o que expôs os mais de 2 milhões de habitantes do enclave palestino à escassez de recursos básicos, como água, alimentos e remédios. Foi com a pressão internacional que Israel liberou a entrada dos primeiros caminhões com ajuda humanitária, após mais de duas semanas de guerra.

No fim do mês de novembro de 2023, ambos os lados da guerra firmaram um acordo. Por sete dias de trégua, tanto Israel quanto o Hamas interromperam as ofensivas, de forma a permitir a libertação de reféns, pelo lado dos extremistas, em troca da libertação de prisioneiros palestinos, do lado de Israel.

Durante a vigência do acordo, o Hamas libertou 105 reféns que haviam sido capturados no ataque de 7 de outubro a Israel. Desse grupo, 81 são israelenses, e 24, estrangeiros, sendo estes negociados fora do acordo.

A guerra, porém, foi retomada e segue sem interrupção, apesar das pressões internacionais. O Conselho de Segurança da ONU aprovou, no fim de março, uma resolução que pedia um cessar-fogo, mas o texto não foi acatado por Israel.

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Todo o conteúdo deste portal é protegido por leis de direitos autorais. Para republicação ou uso, entre em contato com nossa equipe de suporte.