abril 23, 2019

970×90

Pescadores e povo de santo preparam homenagens a Iemanjá nas águas de Buraquinho

Pescadores e povo de santo preparam homenagens a Iemanjá nas águas de Buraquinho

Pelas mãos de quem mantém viva as tradições dos cultos de matriz africana, a fé e resistência serão renovadas nas águas de Buraquinho em Lauro de Freitas no dia 2 fevereiro, dia de Kaiala para o povo de origem Bantu, ou Iemanjá, rainha do mar, também conhecida por dona Janaína, Inaê, Princesa de Aiocá e Maria, no paralelismo com a religião católica.

No encontro do rio com o mar de Buraquinho, a programação será aberta com alvorada de fogos, às 6h, segue com o recebimento dos presentes durante toda a manhã, na sede da Colônia de Pescadores. Às 13h será iniciado o Xiré – ritual em reverência à senhora das águas – e os balaios com os presentes serão embarcados às 14h. Este ano, cinco embarcações oficiais participarão da procissão, cada uma com o suporte de dois salva-vidas. 

De acordo com o professor e historiador Gildásio Freitas, os festejos no município foram iniciados há mais de vinte anos, quando pescadores e o povo do axé decidiram homenagear a mãe das águas em Lauro de Freitas por conta da distância e transtornos para levar os presentes até o Rio Vermelho – bairro de Salvador, berço nacional da celebração. “É uma comemoração inspirada nas grandes festas de largo da Bahia e tem crescido ano após ano”, disse.

Terreiros de todos os bairros da cidade se preparam para lançar no mar flores e frutos preparados com dedicação pelos filhos e filhas de santo. A Mameto Kamurici, líder espiritual do Terreiro São Jorge Filhos da Goméia, de Portão, conta que os objetos que compõem o presente são selecionados respeitando as orientações de preservação do meio ambiente marinho. “Optamos por objetos biodegradáveis ou alimentos”, contou.

Kamurici conta que o momento é aguardado o ano inteiro pelo povo do Candomblé. “É hora de agradecer pelo período que se passou e pedir pelo que virá principalmente neste momento em que o país atravessa tanta intolerância. O mar nos dá o alimento e nos inspira. É tempo para renovarmos nossas energias e nos fortalecer”, afirmou. Para o presidente da Colônia de Pescadores Z57, Jorge Luís, o sentimento é semelhante. “Vamos homenagear quem está conosco o ano inteiro e pedir um ano de fartura e paz”, frisou.

 

 

 

 

Sugestão de fontes:

Jorge Colonia de Pescadores 98725-0543

Professor Gildásio Freitas historiador 99202 4378

Mameto Kamurici 999792253

Manoel Carlos dos Santos,  secretário de Cultura e Turismo  996253158

 

Compartilhe isso
abaixo de Saúde

Sobre o autor

posts relacionados

deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

abaixo de Saúde
%d blogueiros gostam disto: