Sociedade organizada repudia reportagem tendenciosa da Record sobre violência em Jequié

 Sociedade organizada repudia reportagem tendenciosa da Record sobre violência em Jequié

Mentirosa, caluniosa, sensacionalista e irresponsável. Indignado, assim reagiu o deputado municipalista Hassan (PP) à matéria exibida pela rede de TV Record, na noite de domingo (28), rotulando Jequié como a cidade mais violenta do País. “Não resta dúvida de que a matéria podem ter objetivos políticos, direcionada na tentativa de ferir a gestão do prefeito Zé Cocá, aprovada por mais de 90% da população”, pondera Hassan. O Rotary, Clube de Diretores Lojistas, Lojas Maçônicas e a Associação Comercial Industrial de Jequié, também repudiaram a reportagem, “que atinge toda população do munícipio”.

O parlamentar analisa que a reportagem da Record, por não corresponder à realidade prestou um desserviço ao município e região, que poderia gerar prejuízos incalculáveis em todas as áreas da economia local. “Mas a verdade sempre prevalece. Jequié retomou o caminho do desenvolvimento socioeconômico, está em franco crescimento, e vamos continuar trabalhando pelo bem da população”.

O prefeito do município, Zé Cocá, repudiou veementemente as informações distorcidas veiculadas na reportagem caluniosa e completamente fora da realidade pela Tv Record e divulgada na noite de domingo. “A matéria não reflete a verdade sobre a sociedade jequieense e ataca, de maneira inaceitável, a honra da nossa população”, disse o gestor,

”Respeitem Jequié! Respeitem nossa gente! Respeitem nossa história”, bradou Zé Cocá, afirmando que “Jequié é uma cidade de gente honesta, com instituições sérias e comprometidas, que trabalham conjuntamente para resolver os problemas sociais existentes, obtendo a cada dia melhores resultados. Não vamos aceitar ser estigmatizados e desrespeitados dessa forma’.

Para a Câmara de Dirigentes Lojistas de Jequié, a maneira descontextualizada e sensacionalista com que a matéria foi conduzida não apenas distorce a realidade local, mas também contribui para a estigmatização da nossa comunidade. Jequié, assim como qualquer outra cidade, enfrenta desafios, mas merece uma cobertura jornalística justa e equilibrada de sua situação, o que lamentavelmente não foi proporcionado pela mencionada reportagem.

O comandante do 19º Batalhão de Polícia Militar, sediado em Jequié, tenente-coronel Márcio Amorim de Marcelo, condenou a matéria e afirmou que a emissora foi negligente. “A reportagem não teve veracidade nos dados estatísticos, e a emissora não se atentou para checar as informações com o comandante da unidade ou com a Assessoria de Comunicação do Batalhão”, afirmou o militar.

Jackson Lima Mota, delegado do Sexto Distrito do Oriente de Jequié e membro do Rotary Club de Jequié, também condenou a matéria da Record, e afirmou que “é necessário cuidado especial na publicação de matérias que não condizem com a realidade dos fatos, e acarreta prejuízos incalculáveis para nossa região, para o nosso município”.

Falando em nome da Junta Comercial de Jequié, Antonio Novaes declarou que “o Sicomércio Jequié vem a público repudiar veementemente a matéria veiculada pela Record em edição nacional sobre nossa cidade, com dados antigos que não correspondem a nossa realidade, trazendo enorme prejuízo para nosso comércio e indústria, como também na auto-estima do seu povo ordeiro e hospitaleiro”.

Nas ruas da cidade, o clima é de indignação e revolta com a reportagem da Record. “Reportagem maliciosa, fruto da incompetência de quem coloca os dados equivocados, ou espírito maligno nos algoritmos. Nós que somos de Jequié, que moramos aqui, sabemos que é notícia falsa, errada. Jequié boa de se morar”, afirmou o pastor Ivan Luís, em vídeo na rede social.

O cheff Pêu Galvão Pinto disse em sua rede social que “foi uma reportagem tendenciosa, mentirosa, vídeo com vários cortes, não existe isso, uma verdadeira monstruosidade. Nós merecemos e exigimos respeito”.

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Todo o conteúdo deste portal é protegido por leis de direitos autorais. Para republicação ou uso, entre em contato com nossa equipe de suporte.