abril 10, 2021

970×90

Temer telefonou para todos os líderes para agradecer aprovação do PEC

Temer telefonou para todos os líderes para agradecer aprovação do PEC
Com a confirmação da aprovação em primeiro turno da proposta de teto de gastos, o presidente Michel Temer telefonou para o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), para agradecer o resultado.
Na conversa, o peemedebista ressaltou o papel da base aliada na votação da iniciativa e ressaltou que ela representa uma vitória não apenas do Poder Executivo, mas também do Poder Legislativo.
O peemedebista também mandou mensagens para líderes da base aliada para agradecer o empenho na votação da proposta
A iniciativa foi aprovada nesta segunda-feira (10) por 366 votos, 58 votos a mais do que o mínimo necessário, que era 308 votos.
“O presidente recebeu com grande satisfação a aprovação em primeiro turno pela maioria expressiva. É um sinal claro do compromisso do Congresso Nacional com o resgate da credibilidade das contas públicas”, disse o porta-voz da Presidência da República, Alexandre Parola.
Segundo ele, o presidente agradece a cada um dos parlamentares que foram parceiros do que chamou de “vitória maiúscula”.
Para garantir a aprovação, o presidente montou uma força-tarefa ministerial, que incluiu a criação de um gabinete inteligência para identificar traições na base aliada e a demissão temporária de auxiliares diretos que detêm mandato de deputado federal.
Com o objetivo de conseguir um placar com folga, que passasse a imagem pública de força política, uma equipe presidencial foi escalada para telefonar para as bancadas federais e foram exonerados os ministros Bruno Araújo (Cidades), Fernando Coelho (Minas e Energia) e Max Beltrão (Turismo), que retornaram para a Câmara dos Deputados.
Em contato com líderes governistas, o peemedebista passou a segunda-feira (10) monitorando as tendências de voto na base aliada e atuou pessoalmente quando informado sobre ameaças de recuos.
Caso houvesse a necessidade uma abordagem mais direta, o presidente deixou a agenda de compromissos livre, assim como os ministros Eliseu Padilha (Casa Civil) e Geddel Vieira Lima (Governo).
Para evitar o esvaziamento do plenário, o Palácio do Planalto mandou cancelar todas as audiências marcadas com deputados federais em ministérios e estatais, como o Banco do Brasil e a Caixa. Além disso, montou um sistema online com atualizações sobre o número de congressistas que registram presença na sessão parlamentar.
Com a dura ofensiva do Palácio do Planalto, membros da base aliada aproveitaram a oportunidade para negociar a indicação de cargos em empresas estatais.
Segundo um assessor presidencial, ao longo do dia congressistas que já estavam fechados pelo apoio da proposta ameaçaram recuar caso não fossem contemplados.
Compartilhe
abaixo de Saúde

Sobre o autor

posts relacionados

deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

abaixo de Saúde